A Vez da Carine

14 out

Carine passeava próxima a um lago, em um parque, enquanto fazia fotografias. Carine se distraiu olhando um casal que se beijava num coreto, quando sua máquina escorreu da mão e percorreu todo um caminho íngreme de terra que levava até o lago. Paralisada, sem saber o que fazer, Carine sorriu e como um filme, pensou em todo o trabalho que teve para comprar a máquina. Não era um modelo novo, também não era o modelo que ela tinha paquerado nos sites de compra, mas era a máquina que ela gostava. É claro, que enquanto ela pensava nisso a câmera continuava afogada perdendo qualquer chance de ser salva. Foi quando Carine começou a, vagarosamente, andar até o lago. Enfiou a mão na água suja, e retirou a máquina. Era um lago artificial e raso. Ela sentou na margem, aonde ainda era meio úmido e sujo como a água, e foi desmontando a máquina devagar enquanto pensava nas melhores fotos que tinha feito e projetava fotos que viria fazer.

De nada adiantava mais, ela sentia vontade de largar a câmera ali mesmo. “que vontade de largar essa merda aqui”, pensou em voz alta, olhou pra frente e por 10 segundos manteve a cabeça vazia. Carine sabia que era tudo assim, coisas escorregavam da sua mão, rolavam por alguma pequena ribanceira qualquer. Enquanto elas se perdiam ela refletia sobre o que estava acontecendo, então sem força nem esperança ia ver seu prejuízo sem salvação, e assim desistia do objeto.

Mesmo que os objetos um dia tenham sido grandes sonhos. A culpa nunca era dela! “escorregou” pensava se enganando. Os sonhos também escorregavam, o desejo também e ela ria mesmo, rindo da própria desgraça e balbuciando “que merda”. Que pouco significado para uma vida que se desfaz. Em sonhos que se transformam em objetos, que registram novos sonhos, momentos, paixões. O tesão pelo objeto que se esvai também, sem medo de perder mais alguma coisa nessa ‘merda de vida’.

Foi quando Carine desejou, legitimamente, o mesmo destino da sua máquina. Não pela tristeza de ver a câmera se afogar, com as fotos do parque e, ironicamente, do próprio lago. Sim, porque era lógico que esse era o destino dela: escorregar das próprias mãos fracas e se perder. Acabar com suas funções, sua utilidade. Era a vez da Carine escorregar e encontrar no fundo, em algum lugar com todos os momentos, registrados ou não pela câmera.

Quando o amor juvenil escorregou, o amor libertário, o casual, o maduro, quando o ensino acadêmico escorregou por 3 vezes distintas, quando amizades escorregaram, e os prazeres que ela não quis salvar. Por fim, a esperança de um dia aprender a segurar com firmeza nas próprias mãos quaisquer desses elementos se juntou a eles. Ali foi, definitivamente, a vez de Carine também se acabar.

Anúncios

2 Respostas to “A Vez da Carine”

  1. Anna Barreto outubro 14, 2009 às 1:50 PM #

    O tesao pela camera, o tesao pelo resultado do seu esforco, o tesao pelo sentimento… O tesao eh tudo isso. O tesao eh a propria maquina que diferente de toda e qualquer maquinaria nao se quebra e refaz, toda vez que termina nao renasce, ele… finaliza. Carine com sua camera descendo terra e agua viu se esvair seus sonhos e sua vontade de lutar. Carine se esqueceu que tudo que ela quis, teve e sente eh o que ela tem e isso, ngm de Carine pode tirar! Pobre Carine que se esqueceu disso tudo, mas feliz dela se tiver alguem que a ajude a reconstituir as fotos da dua memoria, aquelas que ela nunca tirou, aquelas que revelam verdadeiramente o sentido das coisas, como quem sabe, fez alguem ao ver Carine tao desesperancosa sentada ali perto do lago… Quem sabe alguem nao viveu a experiencia dela? Who knows…?

  2. Clarisse Chalreo outubro 14, 2009 às 2:10 PM #

    UAUUU hanna!
    lindo o texto! não tenho comentários p/ fazer, quero simplesmente dizer q o texto foi escrito belamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: