Archive | setembro, 2013

Status 0: Hoje, todos os meus status são para você, meu bem

20 set

Aurora carnaval. Ele disse que não morava ninguém dentro de mim.

Foi como a primeira tentativa de tragar um cigarro. Tentar sentir como todos dizem que sentem. Eu não sinto assim.

Ele afastou de mim as quimeras que me apreendem e isso já me fazia amar demais.

Toda compreensão e paciência aos rompantes, às diferenças e aos excessos dele.

Tic-tac, tic-tac. Dedicação traduzida para “sangue de barata”, “sangue de barata”.

 

Na atual e finita obrigatoriedade de conviver, todos os meus status são para você, meu bem!

Você fala mais besteiras do que pode imaginar. Até do que o meu preconceito com caras desse tipo pode conceber.

Você prova que vinis, cigarros e raybans não têm diferença dos iPods, açaís e Reefs.

Raro demais, mas você podia ter tido a voluntária compressão.

Mas, se mesmo n’um grande esforço, você não se manteve aqui, foi com um grande esforço que você implodiu tudo com um “eu também” mal empregado.

Você usa lente de aumento quando olha o espelho do seu ego?

 

Por isso… Hoje, todos os clichês covardes, dessa autoajuda gratuita da nova era, são para você.  “A arte de ouvir merda e falar mais merda ainda de volta!” “Prefiro me fazer compreendida a me fazer de evoluída.”  “Quando o interlocutor acha que paciência é sinal de ser otário.”